sábado, 16 de outubro de 2021

Empty Head

 “I… don’t remember anything.
It’s as if my head was empty”

Introdução

    EMPTY HEAD é um projeto pioneiro, e bem ousado, da italiana Cutiesbae, desenvolvido em 2018 no RPG Maker VX. O jogo aborda sobre elementos de horror e mistério, explorando essas áreas de maneira mista entre surrealismo e terror mundano. Contendo uma média de duas horas de duração, e três finais (um ruim, um normal e um bom), o título está disponível gratuitamente em inglês e italiano.

Sinopse

    “Na pequena aldeia de Elkeson, o patriarca da família Baker, Arold, devido a seu alcoolismo e estresse gerado por um casamento precário, se encontra tendo sérios problemas em seu trabalho como advogado. Em uma noite atípica, ao escutar barulhos estranhos, Arold descobre que seus filhos estão desaparecidos, e percebe o surgimento súbito de um alçapão em sua casa. Acreditando que seus filhos adentraram na misteriosa portinhola, ele decide investigar por conta própria”.

 

Personagens -

Arold Baker

Além de um advogado mal sucedido, é uma pessoa realista e meio egoísta, tem bastante apreço por sua família embora não consiga demonstrar isso, sofre com problemas de alcoolismo e de insegurança.

White Fox

Uma ex-modelo, que no passado passou por uma experiência traumatizante e agora não consegue ficar perto de luzes, ela tem uma personalidade bem alegre e confia facilmente nas pessoas.

Cristopher Carter

É um artista peculiar que está viajando pela região em busca de uma inspiração para seus quadros.

Maid

Uma empregada que trabalha no hotel “Across the Seas” para Marcus de Von, é uma pessoa meio irritada e impaciente, principalmente com Arold.

Análise 

Enredo🐻

    Particularmente, mesmo que tenha uma abordagem de temas fascinantes, Empty Head tem uma narrativa muito confusa, não por ser muito complexa e ter uma mensagem difícil de se decifrar como Pocket Mirror, mas o próprio modo de como a história se segue possui uma linha de raciocínio turva. Tive a impressão de que a autora tentou abordar diversos temas verdadeiramente interessantes, mas não conseguiu unificá-los de maneira satisfatoriamente boa para a história. O universo no qual o jogo se passa fica constantemente mesclando entre momentos surrealistas (que acabam caindo em clichês bem corriqueiros de outros jogos contemporâneos) e momentos mais “pé no chão”, em que tenta causar um terror psicológico com eventos pavorosos da vida mundana, o que nem sempre dá certo.

    A maior parte da história é desenvolvida através de diálogos entre os personagens, e acredite em mim, é um verdadeiro conflito de sentimentos aqui. É difícil encontrar uma obra que conseguiu acertar e errar tanto em um mesmo conceito, existem alguns fatores que são terrivelmente bem escritos e que dão até certa satisfação de contemplar. O próprio personagem do Arold é um bom exemplo disso, ele é uma pessoa desequilibrada e malevolente em muitos sentidos, mas sem ser irreal, seus problemas são relacionáveis e ao mesmo tempo ele genuinamente se arrepende da maneira como ele se comporta, fica aflito com o efeito que causa em sua família e gostaria de mudar seu jeito de ser, mas não vê maneiras para isso. Em contrapartida, alguns personagens são tão rasos que fica até difícil justificar seus atos, sua mudança de comportamento ou ódio direcionado, já que as vezes parecem ser baseados em absolutamente nada, ou em um motivo muito pequeno para explicar sua personalidade, que os torna incondizentes com o meio.

    Outra coisa bem conturbada em relação a sua narrativa, é o fato de ser excessivamente explicativo em alguns elementos, enquanto deixa outros absolutamente a esmo, e ainda por cima deixa poucas pistas para fazer sua interpretação. O final do jogo descreve minuciosamente as mensagens que queria transmitir de certos elementos, o que para algumas pessoas é algo ótimo, muitos jogadores preferem que tudo lhes seja explicado, mas eu me senti meio agastado em ouvir a explicação de coisas que eu achei que já estavam bem claras.

    Um exemplo perfeito das lacunas de explicação que o jogo deixa são as máscaras de Kitsune. Os personagens secundários que você encontra durante a jornada, usam uma máscara de kitsune ornamentada de cores diferentes. Várias vezes durante a campanha, o protagonista questiona o uso dessas máscaras, e ninguém nunca responde. Pesquisando sobre significado dessas máscaras e sua função em festivais, o uso delas faz total sentido para o plot, mas no jogo fica muito desconexo e sem explicação, assim como uma vasta quantidade de fotografias que aparece logo no início. Eu realmente não quero acreditar que esses recursos só estejam lá “por estar”, mas é difícil - e até meio forçado - extrair um sentido para eles quando postos de modo tão alheio. Claro, a interpretação faz parte da experiência, mas acho que foi um pouco negligenciado nesse aspecto.

Fotografia de autoria de Nicolas Bruno (Instagram)

Arte🐻

    Empty Head traz consigo uma variedade de estilos artísticos que enriquecem bastante sua obra, os sprites dos personagens são ótimos, os sprites faciais são bem detalhados e possuem uma vasta gama de expressões diferentes. Os cenários são muito consentâneos, certas vezes são até grandes e detalhados demais para cenas tão rápidas e existe também ilustrações completas nos momentos de clímax que são bem impressionantes e adequadas. Além disso, o jogo ainda conta com fotografias surrealistas de Nicolas Bruno, e embora algumas pessoas tenham achado que o uso de fotos reais no jogo tenha dado um efeito de estranheza, eu achei esse recurso bem legal e me instigou a procurar mais trabalhos do fotógrafo.

 

Trilha Sonora🐻

    Além dos efeitos sonoros padrões dos RPG maker, que são bem utilizados aqui, existe uma playlist de músicas originais do jogo feitas por Cai Jones, que apesar de não serem muito marcantes ou engajadoras, é bom saber que houve todo esse cuidado de criar músicas originais, há também algumas outras músicas em instrumental escolhidas com esmero, a provavelmente mais curtida entre aqueles que jogaram foi a Muskrat Ramble.

 

Jogabilidade🐻

    Embora seja um tópico de difícil crítica, a jogabilidade em Empty Head, não é um ponto tão forte, a começar com os puzzles, que são absurdamente fáceis e bem pouco originais. É quase constrangedor resolver algo que aparentemente era pra ser um desafio em tão pouco tempo, a colisão com os objetos também é um pouco desconcertante, muitas vezes sobra um espaço muito grande entre o jogador e o objeto que se vai interagir, sei que muitos jogos também têm esse problema, e entendo que seja algo da engine do RPG Maker, mas mesmo assim, é levemente instável.

https://lh4.googleusercontent.com/zy5nre7Mu_nVBAGyTA-6el61zbmG1xbak4CPEJFvggFSIwvCQS_MMoq4D3NJJH6PTi4TVEKgn55pZg4TU0IGPz5mPs1UYblBMxRUl_3gzm0FYWrKd9hiY9GPfqM-7vrPTrkeSI3b=w595-h446 

Conclusão

    Empty Head acabou se tornando uma obra meio ambígua, sou obrigado a confessar que muita coisa não me agradou da primeira vez que eu joguei, mas depois de re-jogar algumas vezes e refletir sobre seus aspectos, não posso negar que é um jogo no mínimo interessante de se experimentar. Claro que não é nada magnífico, mas tem seus charmes. Como disse no início da review, esse é o primeiro projeto de Cutiesbae, e sempre que eu me encontro contemplando algo que tenha sido feito como uma “primeira vez”, eu me recordo do documentário “10 Years with Hayao Miyazaki”, em que durante a estreia do primeiro longa metragem de seu filho, Miyazaki critica alguns aspecto do filme e comenta: “ ʽEstá bom para uma primeira vezʼ é praticamente um insulto”. Acredito que seja de fato uma frase bem marcante, e considero-a bastante importante quando vou fazer uma análise. Não justificarei os erros de Empty Head com um “para uma primeira vez, até que não ficou tão ruim”, justamente pelo nítido carinho e o esforço da criadora com o jogo visto a quantidade de colaboradores e tempo de dedicação que ela teve, e apesar dos pesares, o resultado final acabou tendo mais pontos positivos que negativos, e vale a pena de fato dedicar um tempo para conhecê-lo.

 


🧸 [Download do jogo] 🧸

Mais?

8 comentários: