quarta-feira, 17 de maio de 2017

Cat Soup

E no fim somos todos uma grande sopa para saciar a fome divina... Será?


       Cat Soup (ねこぢる草 Nekojiru-sou) é um curta experimental de 2001 por Tatsuo Satou, usando as personagens da desenhista Nekojiru. Sua duração é de 34 minutos e contém elementos de humor negro e surrealismo. A história segue o protagonista Nyatta, um gato antropomorfizado, na sua busca pelos confins do submundo para reencontrar a metade da alma de sua irmã Nyako.

... E que viagem.


        Para começar a análise, eu preciso dizer onde eu conheci esse curta. Em uma conversa com Charlotte, ela achou uma imagem daqueles iceberg divididos em partes onde cada uma representa um estágio mais fundo do assunto principal. Logicamente, o assunto deste era animes. Discutimos de forma simples cada um deles, mas dentre os penúltimos, este título nos chamou atenção (aliás o último estágio são animes de idols, não se preocupem). Dando uma pesquisada rápida, recebemos uma ligeira ideia de algo não estava certo com esta obra, motivo que afastou Charlotte, mas me tentou a ver algum dia. E finalmente, este dia havia chegado.

       São 34 minutos de pura falta de previsibilidade da onde essa “viagem” irá chegar. Isento de diálogos (sendo um ou dois só) a sensação que tive foi de espanto e desconforto. Afinal, quando te são tirados toda a lógica de um desenvolvimento e mesmo de ações mais simples, tudo que te resta é ficar encarando a tela e não questionar o que pode vir a seguir. O que ― por incrível que pareça? ― não é ruim, aliás, é o esperado de uma obra experimental, onde há um foco no ideal artístico que se queira passar, pondo o leitor numa posição mais reflexiva/interpretativa. 

       Fica difícil comentar cada cena por justamente a “surpresa” de desenvolvimento ser a coisa mais marcante da obra. Tudo que é possível dizer é sua introdução: Quando Nyako, com uma doença terminal morre, seu irmão vai atrás do Jizou (uma espécie de guardião para guiar crianças mortas na versão japonesa) que levava a alma dela, puxando-a com tanta força que metade ficou consigo, e a outra com Jizou. O diálogo dele, então, é a dica da onde Nyatta tem que ir para ter sua irmã totalmente de volta, uma vez que ao retornar a vida, ela fica em estado catatônico. Daí então começa todas as reviravoltas repleta de simbolismos (mesmo que não tenha sido a intenção do diretor) que faz fama ao Cat Soup.


       Detalhe que, se comparar com uma série de animações que saiu dois anos antes do filme (intitulado Nekojiru Gekijou), é a primeira vez que Nyatta pega um papel ativo. Há as piadas de humor negro e um pouco de desenvolvimento sem sentido, mas na animação, ele não fala, restando para a irmã ficar junto dele e cuidá-lo. Essa inversão de papéis é interessante, ainda mais se considerar que talvez seja uma decisão do diretor, dado que a autora dos personagens se suicidou em 1998. É bastante raro você ter casos de personagens que acabam trocando de função assim. Ou seja, Cat Soup é como se fosse uma história paralela aos que Nekojiru criou. 


       A obra em si tem pouca intenção de assustar seu espectador, mas em algum momento suas cenas deixam-no desconfortável, seja pela surrealidade ou banalidade que certos temas são dispostos (por exemplo mutilação). Até que no grande final você descobre que isso é em escala universal, colocando deus e até a quarta parede no meio. Mesmo seus créditos são atípicos e causa essa sensação de que você não sabe o que pode vir. Não importa se é a coisa mais inofensiva, só o fato de você não imaginar isso já o torna desconfortável. Cat Soup certamente é uma obra que foi enterrada e perdida nos confins dos curta metragens de animação japonesa, mas quem a assiste acaba sendo marcado pelo que ela traz. 

Boa sorte “digerindo” tudo.


- Neil

14 comentários:

  1. Fiquei bem curiosa com essa obra, vou ver!!
    (Será que você poderia fazer a Review de "The Hanged Man, Uri"? saiu e eu gostaria muito de ver.)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então. Das regras universais, assim como toda tradução da Charlotte é redigida por mim, todo e qualquer comentário sobre jogos da Uri em deixo para o LC. Chega a ser ofensivo não deixar isso com ele. q

      Excluir
  2. Já tinha visto esse curta metragem, estou muito feliz que vocês comentaram sobre ele! Ele deve ser visto <3 É uma obra surrealista sensacional.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim. E que bom que viu! Como eu disse, é uma obra extremamente marcante.

      Excluir
  3. Eu conheci esse curta ainda nos tempos do orkut.Eu lembro que estavam discutindo sobre animes em uma comunidade e o tema era animes desconhecidos, então alguém falou desse anime e fui ver. Isso lá pra 2007. Eu lembro que fiquei meio desconfortável quando assisti na época kkkkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É inevitável o desconforto com essa obra. Por isso achei interessante trazê-lo para cá.

      Excluir
  4. Já conhecia a obra, mas apenas pelo mangá. Gosto muito dessas coisas mais bizarras e Nekojiru Udon com certeza conseguiu me deixar desconfortável.
    Os traços do mangá são bem simples e os personagens são bonitinhos, as histórias nem sempre acabam bem. Às vezes os finais são tão bizarros que as histórias parecem incompletas.
    Só que eu não sabia que tinha uma animação disso '-w-. Vou dar uma olhada e ver se a animação é tão bizarra quanto o mangá.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como disse na postagem, Cat Soup surge depois da morte da autora, então tem pouca relevância com a obra que pegou as personagens emprestadas. Mas tem o Nekojiru Gekijou e mano, que loucura é!

      Excluir
  5. Respostas
    1. A live 30 começou ás 18:30 do dia em que você comentou.

      Excluir
    2. Sim. Nossas lives são sempre um domingo sim e um domingo não. A próxima agora é dia 4 de junho.

      Excluir
  6. Passando pra falar que a Mikoto aparece no novo jogo da CHARON (http://nekocharon.web.fc2.com/fullbokko.html).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, avisaram em nossa página sobre este jogo. É questão de surgir uma tradução em inglês para discutirmos como ficará para lidar com as traduções de CHARON, uma vez que era a Mei que traduzia eles.

      Excluir
  7. Assisti isso a um tepo, assisti com minha irmã e é completamente estranho, com certeza não é uma coisa que se esquece rápido e fácil, minha irmã e eu rimos por não entendermos nada, até que foi legalzinho, assistiria de novo.

    ResponderExcluir