quarta-feira, 19 de abril de 2017

The Babadook

A Bad Book


The Babadook (O Babadook) é um filme de terror coproduzido pela Austrália e Canadá, escrito e dirigido por Jennifer Kent em sua estreia como diretora, baseado no curta-metragem Monster (2005), também escrito e dirigido por Kent, lançado em janeiro de 2014 no Festival Sundance de Cinema. No Brasil, o filme só pode ser encontrado pelo serviço de stream Netflix.


Sinopse

If it's in a word, or it's in a look, you can't get rid of The Babadook

Amélia é uma mãe solteira que perdeu o marido em um trágico acidente anos atrás. Ela tem um filho pequeno, o rebelde Samuel, que é completamente obcecado por monstros. Ao encontrarem um livro chamado ''Senhor Babadook'', uma entidade sombria passa a atormenta-los.

Análise

A cena inicial do filme é objetiva e clara, mostrando o acidente e a condição atual da personagem. Facilmente conseguimos nos simpatizar com a personagem, muito graças a Samuel, um garoto exacerbadamente desobediente e irritante.

Sem uma família estável, sozinha, a cargo de cuidar de um garoto que não retribui o amor que ela oferece, temos um drama familiar nos primeiros 40 minutos do filme, o que não é ruim, muito graças a seu incrível subtexto.

O terror do filme é dado pela alto poder de sugestão. A presença e a existência do Babadook é muito mais assustadora do que sua aparição em si. Cortes rápidos mostrando-o ao fundo, sua sombra e ele próprio aparecendo rapidamente contribuem para a atmosfera absurdamente forte e imersiva do filme

A atuação dos atores principais está espetacular. Essie Davis consegue mostrar muito bem a tristeza e melancolia da personagem, além de outros detalhes que remetem ao subtexto. Noah Wiseman incorpora um personagem naturalmente irritante e desobediente, mas com motivos plausíveis, levando em conta o subtexto, novamente.


A trilha sonora é muito bem utilizada, sendo pontuada nos momentos de tensão, onde o problema acontece, a música para e a cena é cortada para a consequência do que deu errado, sendo bem objetiva nesse aspecto.

Os defeitos mais gritantes ficam por parte da edição, que conseguem atrapalhar a atmosfera do filme em certos momentos da obra, usando cortes estranhos e "mal feitos". Perto do final do filme, a obra começa a usar clichês de filme de terror, onde o terror começa a tornar-se mais visual, o que é um problema graças a edição ruim desses momentos.

Um filme amedrontador nos momentos certos, com ótimas atuações e um excelente subtexto. Mais uma prova de como o poder da sugestão e o subtexto contribuem para o terror e para a mensagem, deixando de tornar o filme vazio.

Subtexto(SPOILER)

The Babadook é muito mais do que apenas um filme de terror: O filme aborda temas como depressão, perda, luto, culpa, amor materno e as dificuldades de ser uma mãe viúva. O Babadook não é só um monstro, uma entidade maligna, ele tem um significado. 

O Babadook representa a depressão de Amélia, tomando forma e ganhando poder a medida que ela finge que não vê, que é apenas uma fantasia de seu filho, um monstro infantil. É muito mais fácil enfrentar um monstro oriundo de contos infantis do que nossos demônios interiores. Frases como "Deixe-me entrar"ou "Quanto mais você negar, mais forte eu fico" enfatizam isso.

Amélia nunca conseguiu superar a morte do marido. O filme todo ocorre perto do aniversário de Samuel e, consequentemente, o aniversário de falecimento de seu esposo. Ela se vê obrigada a enfrentar o passado, trazendo à tona antigos medos e feridas e fazendo-a incorporá-los.

Dado momento do filme ela fala que era escritora de coisas infantis... Porque ela esconde as mãos quando o policial olha para ela? Porque em um aniversário infantil, todos os adultos estão usando roupas escuras? Porque ela achou que viu uma infestação de baratas atrás da geladeira? De onde surgiu o tal livro? 

As respostas dessas perguntas o tornam um filme profundo, onde o terror é usado para discutir assuntos pesados e desagradáveis. O final demonstra a realidade de muitos: Às vezes, não se pode vencer o monstro, mas podemos aprender a conviver com ele.

~Bell

16 comentários:

  1. Agora também fazem de Review de Filmes?
    Hmmmmm ... Tá.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, não ,não, pelo contrário, é uma novidade que eu gostei muito, até me interessei pra assisti-lo!

      Excluir
    2. Caso seja do seu interesse, a Eyree há muito tempo fez do Atividade Paranormal Dimensão Fantasma.

      Excluir
  2. Esse filme é fantástico, realmente assustador

    ResponderExcluir
  3. Interessante esse filme. Daria um bom jogo no estilo Crookedman e Sandman.

    ResponderExcluir
  4. Eu adoro esse filme! Os filmes de terror não são de impressionar, mas esse é muito bom mesmo. Principalmente pela mensagem que ele carrega, gosto muito quando misturam isso com terror. Ótimo post!

    ResponderExcluir
  5. Já assisti o filme, só não entendi o final...
    Se alguém se habilitar a me explicar, ficarei agradecido! ^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também não entendi o final, especificamente,nas partes que ela nos faz perguntas ;-;

      Excluir
    2. Vocês conseguem! É um filme sobre depressão...

      Excluir
    3. São várias interpretações, na verdade. Dizem que o fantasma é a representação de algo que ela não consegue lidar, como a morte do marido, então ela acaba guardando esse sentimento dentro de si (ele fica trancando em quarto, como vimos no final) para não ser consumida pela loucura causada por ele. Enfim, o que eu li a respeito era algo mais ou menos assim.

      Excluir
  6. Assisti ao filme e achei...Interessante de certa forma. Filme diferente dos "clássicos" de mesma ideia.

    ResponderExcluir