sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Jogos Modernos (pt I) - Rule of Rose

"So tell me where is my shame..."


Olá, e cá estou eu aqui de novo. Hehe!

Lembra quando você se borrava de medo quando ia jogar Resident Evil 4 com seus primos? Sabe de nada, inocente.

Hoje lhes trago algo diferente, algo que não usa... Pixels.

Pois é. Nada de RPG Maker para nós hoje. Nesta série de posts vamos tratar do mundo mágico do 3d. Ou seja, dos consoles.

Pode buscar uma xícara de chá e uma molheira com maple syrup pois o jogo que vamos degustar desta vez é Rule of Rose que tem um gosto amargo, mas levemente doce no final.



HISTÓRIA:

Jornal europeu critica o jogo como impróprio para crianças.

Rule of Rose é um jogo produzido pela Punch Line e distribuído pela Atlus, lançado em 19 de janeiro de 2006 para playstation 2.

Proibido em vários países, por sua temática ácida, muitas pessoas odiaram o jogo antes mesmo de jogá-lo, e pelo mal uso de marketing, as vendas foram baixas, mas isso não impediu que muitos se apaixonassem (inclusive nós do Zero Corpse) pela maravilhosa trama do jogo.

A história permeia em torno do infortúnio de Jeniffer, uma garota londrina de 19 anos que após seguir um garotinho que encontrou no ônibus em que estava, acaba parando num estranho orfanato cheio de criancinhas más, onde é humilhada e torturada de várias formas diferentes.

Em companhia de seu fiel amigo Brown (um Golden Retriever) tenta descobrir os mistérios do mundo diabólico em que está inserida, tendo que se submeter aos jogos macabros dos Red Crayon Aristocrats (aristocratas do giz de cera vermelho), elite hierárquica estabelecida pela Princesa da Rosa.



PERSONAGENS


Jeniffer: Garota tímida e levemente apática que também é a nossa protagonista. Sensível e amável, sua tendência a submissão é enorme, e apesar de ter uma grande força dentro dela, acaba tendo problemas para lutar contra os obstáculos impostos a ela no jogo. Tem um grande amor por seu cachorrinho Brown.

Título: " Unlucky Princess" (Princesa azarada).

Ranking social: Beggar ( do inglês "aquele que implora", deplorável).


Brown: Um golden retriever que é muito leal a sua dona, Jeniffer, é valente e não mede esforços para protegê-la. Gosta muito de comer biscoitos.










Diana: Garota imponente, esperta e de uma frieza sem precedentes. Usa sua sensualidade e carisma para manipular todos os outros do orfanato, sendo a líder dos aristocratas dos giz vermelho. É a mais velha, e tem complexo de superioridade. É perita em enganar os outros bem como uma fabulosa atriz.

Título: "Strong Willed Princess" ( Princesa de ímpeto forte).

Ranking social: Duchess. (Duquesa).


Eleanor: Possessora de uma ignorância cruel, Eleanor jamais muda de expressão nem ao ver as mais violentas torturas dos Aristocratas do giz vermelho. Vivendo em seu próprio mundo imaginário, carrega por aí uma gaiola vazia, dizendo que lá vive seu pássaro da felicidade. Apesar de ser alheia a tudo ao seu redor, participa das brincadeiras com as outras crianças normalmente.

Título: "Cold princess" (Princesa fria).

Ranking social: Countess (Condessa).


Meg: Calculista e elitista, Meg considera que a hierarquia do orfanato é uma lei a ser cumprida. Ela é a encarregada de tomar nota e ver se tudo está nos conformes. Tem tudo anotado em seu diário, desde normas e horários até planejamentos de torturas para os descumpridores da lei. Tem uma admiração anormal por Diana, e faz de tudo para agradá-la.

Título: "Wise Looking Princess" (Princesa de aparência sábia).

Ranking social: Baroness (Baronesa).


Amanda: Instável e com picos de insanidade, nunca teve ninguém que gostasse dela. Considerada feia e gorda pelas outras crianças do orfanato, adquiriu um complexo de inferioridade que acabou por interferir no seu desenvolvimento mental e social, gerando vários tipos de demência. Apesar de tudo Amanda se tornou altamente dependente da hierarquia da rosa, se fechando num mundo onde a única coisa que importa é subir no ranking e fazer com que todos a amem.

Título: "Small Hearted Princess" (Princesa de Coração Pequeno).
Ranking Social: Poor. ( Pobre, digna de pena).


Wendy: Uma garota doce, amável e alegre. Sua saúde frágil a impede de estar sempre com as crianças do orfanato, portanto acaba ficando sozinha na maioria das vezes. Ajuda Jennifer sempre que pode, e é a única do orfanato que a trata com gentileza. Wendy tem uma simpatia enorme por Jeniffer e o sentimento é recíproco, já que logo se tornam amigas. Não faz parte dos aristocratas.

Título: "Lonely Princess" (Princesa Solitária).




JOGABILIDADE:

Olha, não vou mentir pra vocês. É chato, muito chato jogar esse jogo. Você realmente só continua jogando por causa da história e das cutscenes, por que senão ninguém jogava.

Basicamente você só fica andando com a Jeniffer por aí no mesmo mapa voltando nas mesmas salas, pra pegar as mesmas coisas. Cada fase tem uns bonequinhos de capeta monstros chamados "imps" que te perseguem em grande quantidade para te agarrar e te matar.

E a Jennifer luta! Com canos, garfos, facas e até cutelos! Mas por ela ser uma garota extremamente tímida, seus ataques são imprecisos e bem lerdos, fazendo com que ela caia no chão e grite várias vezes, então se for jogar, só lute em último caso.

O pior é que os monstros ficam espalhados no mapa, e enquanto você está tentando resolver um puzzle do jogo, ainda tem que se preocupar em sobreviver, o Brown até desvia atenção dos imps mas ele logo morre e lá vai você fugir de novo.

Os puzzles são difíceis, e bem chatos. Não são muito lógicos e demorados por causa dos imps, e também tem uma coisa que eu acho terrível, os loadings. O mapa tem umas cinquenta portas e uma pertinho da outra, e toda santa porta tem um loading que demora uns quarenta segundos pra carregar, e isso acaba ficando cansativo com o tempo, além disso a Jeniffer morre fácil e os save points são bem distantes uns dos outros.

Também tem as interações com Brown, que consistem em mandá-lo ficar, vir e buscar itens, ele é essencial para você prosseguir na trama, mas ele não sabe atacar os imps.

Ah sim, os chefes. Sim, tem chefes. Eles são muito difíceis de passar, e sempre tem alguma coisa ridícula neles. Por exemplo, uma sereia que fica pendurada no teto, vomitando ácido. Sim, é isso mesmo. E ela ainda faz uns sons que mais parecem o Bruce Lee morrendo no hospital.

TRILHA SONORA:

A trilha sonora é fantástica. Só isso. Nada mais a dizer.


Com suas Osts completamente eruditas ao estilo palaciano, são parte crucial do jogo e dão aquele toque sofisticado á trama,principalmente nas partes terroríficas do jogo,onde você quase se caga só de ouvir a musiquinha que mais parece uma navalha cortando seu pescoço!

A música tema de Rule of Rose se chama "Love Suicide" , no começo você pode achar brega, mas depois você vai cantarolá-la sem parar, guardem minhas palavras.

GRÁFICOS:



Os gráficos são lindos. Fora do jogo. Isso mesmo, na tela do computador o CG é lindo. Porém no
gameplay, fica muito a desejar, principalmente porque os personagens ficam pixelados e com uma aparência artificial. Por isso os eventos principais do jogo são em cutscenes. Mas se você jogá-lo em um emulador de PS2 a história é outra. Os gráficos ficam muito melhores, fica a dica.

Ah, também tem uma coisa que pode incomodar, a ausência de cores no jogo. Tudo é muito cheio de preto cinza e marrom, os cenários são muito escuros e não tem configuração que arrume isso no jogo, portanto dependendo da hora do dia que estiver jogando, é capaz de você não ver muitos dos objetos mostrados na tela.

...

Mas então é isso, espero que tenham gostado dessa Review. Se você jogou Yume Nikki inteiro é altamente recomendável que você jogue esse jogo. Mas se você não tem paciência, mas quer conhecer a história do jogo, assista gameplays, tem vários para assistir. A história é bem complexa, e se quiserem eu posso fazer um novo post com a verdadeira história escondida por trás deste fabuloso jogo chamado Rule of Rose.

Eyree. 

28 comentários:

  1. Já conhecia esse jogo por uma matéria da revista Neo Tokyo e não tive nenhum interesse em jogar, apenas curiosidade em ver como esse jogo termina. Agora posso dizer que... continuo não tendo nenhuma vontade, já que realmente não tenho paciência para jogos e afins. Porém, eu com certeza vou procurar um gameplay. Parabéns pela postagem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Procure mesmo ! A história é maravilhosa. Porém não pense que vai entender a história só vendo o gameplay e.e Rule of rose é só metáfora.!

      Excluir
    2. Se souber inglês, o Cry fez um gameplay do jogo :)

      Excluir
    3. MDS CARA, EU TAMBÉM VI ESSE JOGO NA NEO TOKYO HÁ ALGUNS ANOS HUASUHASHUASHUASUH Mas na verdade, acabei tendo além de curiosidade, com vontade de jogar também çuuç
      Só que minha preguiça nevah endsu (e a memória não ajuda mesmo, cofcof) e eu acabei adiando a minha pesquisa pra ver se tinha em PT, e adiando, e adiando... Até que esqueci fasdafdasfads
      Eu queria baixar e jogar, mas internet anda tão lerda que tenho até medo de ver o tamanho do jogo e morrer de desgosto <//3

      Droga, fiquei um tempo sem ver o ZC e agora quero jogar tudo ;A; Whyyy çuuç

      Excluir
  2. parece lecau, tem alguma gameplay na net? pq num pretendo jogar nn e-e

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem sim! É bem facil de achar, a história do jogo é divina! Corre logo ver!

      Excluir
  3. Eu não prentendo jogar, my life é RPG Maker

    ResponderExcluir
  4. Eu não pretendo jogar, mas o post ficou incrível >///<
    Me deixou curiosa pra saber a história por trás do jogo, acho que vou ver o gameplay, mas eu adorei a ideia de você fazer um novo post com a verdadeira história escondida <3

    ResponderExcluir
  5. Uma postagem magnífica para um jogo igualmente belo. Eu ainda não joguei, mas vou roubar o PS2 do meu primo pra conferir, com certeza. Obrigado, Eyree!

    ResponderExcluir
  6. A História não é lá essas coisas mas tem seu valor, é surpreendente a frieza das meninas em fazer o que fazem, mas para por ai. Os gráficos do jogo é lindo para a época, não tem como o game ter os mesmos gráficos de uma CG por que uma CG é simplesmente um FILME, elas não são feitas com a Engine Gráfica do jogo, é um filme que ta rodando ali no meio do game.

    Personagem favorita é e sempre será a Eleanor, gosto como ela é desenvolvida (Estou sendo educado e gentil ao dizer que ela é desenvolvida) na história, a aparência e a metalinguagem da Gaiola que eu tenho como conceito aqui comigo que é a seguinte:

    Ela carrega a Gaiola vazia dizendo ter um pássaro lá dentro, não há nada. Ela, pra mim, acha que há alguma coisa ali dentro por sua cabeça aceitar que sim. Ela não gosta de interagir muito com os outros, meio que se sente forçada a tal coisa e sua adoração pela Diana é a mais baixa de todas, eu até diria que ela é a mais perto de uma psicopata do game. (Deixando claro para os burrinhos de plantão, Psicopata não é a mesma coisa que Assassino e você ser Psicopata não tem nada haver com matança).

    Ótima postagem, o jogo é bom, mas eu nunca zerei por ser noob mesmo. Joguei anos depois no grande console do momento (Youtube) e consegui finalizar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, a Eleanor é maravilhosa! Ela, que parece ter a personalidade mais rasa do jogo, é uma das personagens mais profundas. O nome dela já diz tudo; Eleanor, "a de fora", "a outra". Adoro ela de paixão!

      Eu sinceramente acho a história fascinante. Uma lição que nos mostra a que ponto a "inocência" de uma criança pode chegar, beirando à crueldade e - por que não? - loucura.

      Excluir
    2. Esse negócio da história brincar com a inocência das crianças e o que elas podem fazer acima dessas qualidades delas que são utilizadas de forma maléfica e benéfica para elas é o que torna ainda mais a trama assustadora e muito imersiva, eu quase não piscava e olha que eu zerei o jogo daquele jeito: Youtube.

      Uma coisa que eu adorei de Rule of Roses também é o que a autora/autor desse texto escreveu logo no inicio do quesito Jogabilidade: Ir e voltar nos mesmos lugares.

      Rule of Roses, queira ou não, é um Survival Horror. Uma protagonista que está em um lugar aparentemente estranho, seus recursos de sobrevivências para se dar bem naquele local estão limitados e a atmosfera do jogo pesada que da um mais para essa imersão do jogador em um mundo de uma história assustadoramente bizarra. E esse tipo de jogabilidade se iniciou com o famoso Resident Evil, ou até mesmo antes disso que era o Alone in The Dark, ou antes mesmo disso o famoso e que foi inspiração para Resident Evil, Sweet Home (Que de Sweet não tem nada). O Fato da Jennifer utilizar de armas brancas bem simples para se denfender dos inimigos é bom, o fato da personalidade dela ser fraca e isso influenciar na gameplay é uma coisa sensassional. Esse tipo de jogatina me atrai MUITO, justificando meu amor eterno por Silent Hill e até mesmo o clássico Haunting Ground, o que deveria ser o Resident Evil 4 mas graças a deus temos outro enredo, outra personagem e tudo mais.

      Excluir
  7. my god...me apaixonei pelo trailer,e quero muito que você faça um novo post com a história verdadeira por trás deste jogo *-* vou ver as gameplays *---*

    ResponderExcluir
  8. outro game que merece ser lembrado é o haunting ground ou demento no japão ele segue o mesmo ritimo de rule of de rose a historia é contada lentamente até chegar em uma parte em que vc entende um pouco o que aconteceu, o que surpreende no game é o fato de a ver apenas um perseguidor em cada capitulo e mesmo assim ele conseguir te passar a tenção de ter de fugir e se esconder (como um bom rpg maker) os enigmas são ótimos nem todos são de graça e na minha opinião o melhor personagem é o cachorro que te acompanha o jogo inteiro te ajudando a sobreviver

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É o próximo que eu vou fazer review :)

      Excluir
  9. Eu apoio a ideia da Eyree fazer um post falando a verdadeira história deste jogo, porque eu já o joguei e não entendo até hoje ;-;

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se muito mais gente pedir eu vou ter que fazer esse post mesmo hehe!

      Excluir
  10. Eu já havia conhecido esse jogo por meio de um canal no youtube,falaram muito bem do jogo, se vc puder, vc faria uma postagem com spoiler do enredo ?

    ResponderExcluir
  11. Eu já conhecia esse jogo.Na época que ouvi falar fiquei obcecada, procurava todo tipo de informação sobre ele e sempre que ouço alguém falar nele ouço cada palavra com muita atenção.Apesar de não ter a história mais tocante de todas esse jogo causa um efeito incrível e melancólico sobre mim.

    ResponderExcluir
  12. já vi o cry ( cryaotic/chaoticmonki ) jogar mas... eu nao entendi o final :u
    nem ele entendeu, pra ser sincera sdjneiurf ele deixou um link da wiki do jogo explicando o final, mas fiquei com preguiça de ler :'y

    outra coisa que eu achei bem estranha foi esse negócio de proibir o jogo em alguns países. não vi nada de mais nele :u quer dizer, tem umas partes estranhas mas meh, não achei lá essas coisas( por sinal, achei muito idiota aquela tortura do rato sdcjberiuf eu fiquei rindo dela[ desculpa, jeniffer ])

    ResponderExcluir
  13. Muito bom o review. Fiquei com bastante curiosidade de ver o jogo (E verei yadihfaif). Gostei muito da Diana logo de primeira, os olhos dela e sua expressão já passam uma frieza enorme.
    Seria interessante se você fizesse uma review de Fatal Frame também, é um clássico dos jogos de terror, que também tem mais foco a história e as cutscenes que a jogabilidade (Sim, eu só jogava Fatal Frame por causa daquelas cutscenes divosas, por isso acho que vou curtir muito Rule of Rose :v).

    ResponderExcluir
  14. MY FRIEND
    GIVE ME BACK MY FRIEND

    ResponderExcluir
  15. Eu realmente amo esse jogo <3 <3 Sério já vi o gameplay dele um monte de vezes, o final então feels ;u;

    ResponderExcluir